escrito por Magda Toma, Diretora da Forus 


Caros membros e parceiros,  


Num mundo onde o espaço cívico está encolhendo em ritmo acelerado, indo de mãos dadas com o aumento de populismos, e onde os defensores de direitos humanos estão sendo assassinados todos os dias, a sociedade civil organizada e as redes têm a responsabilidade de enfrentar esses desafios. A Forus está atualmente realizando uma revisão intermediária da nossa estratégia e planejamento para 2016-2020 para o próximo período estratégico.


Dentro deste contexto, a Forus e os seus membros estão pensando em estratégias alternativas para a mobilização, auto-organização e aumento da conectividade da sociedade civil como um agente fundamental de um sistema multilateral internacional reformado. Em colaboração com parceiros que pensam da mesma maneira, a Forus e os nossos membros planificam desenvolver uma nova visão e uma narrativa pública contemporânea para a sociedade civil em tempos difíceis, o que reforçará a relevância e a eficácia do setor. Nesse contexto, a Forus e os seus membros continuarão focando os elementos essenciais, como o desenvolvimento de capacidades para a sociedade civil; advocacia em torno da implementação da Agenda 2030 e promoção do papel da sociedade civil; apoiando um ambiente propício para a ação cívica, enquanto continua a olhar para o próprio setor das ONGs, o seu modus operandi e o papel das plataformas nacionais de ONGs, esforçando-se para apoiar o pensamento em torno da evolução e relevância deste modelo. Temos o prazer de continuar compartilhando atualizações sobre esses processos estratégicos. 

Finalmente, uma prévia do nosso vídeo institucional, realizado na nossa reunião geral em Santiago em setembro do ano passado, com a gentil contribuição de Iara Pietricovsky, nossa Presidente e representante da Abong-Brasil, e dois membros do nosso Conselho, Emele Duituturaga (Diretora de PIANGO – Região do Pacífico) e Sam Worthington (Presidente Diretor geral da InterAction – EUA e vice-presidente da Forus). Esse vídeo institucional tem o objetivo de apresentar a nossa rede e seus desafios, assim como a diversidade de nossos membros e das vozes que representamos dentro da sociedade civil. O vídeo será transmitido em nossos diversos canais de comunicação, nosso site e nossas redes sociais. Este vídeo também está disponível em 4 idiomas no canal do Forus no YouTube. Sinta-se à vontade para compartilha-lo e divirta-se assistindo!

2019 é um ano fundamental para a nossa rede, incluindo a avaliação intercalar da atual estratégia 2016-2021 e a preparação dos pilares do próximo plano estratégico 2021-2025. Esses dois processos fundamentais já foram iniciados durante a Semana Estratégica da Forus em 2018 e estão sendo desenvolvidos em 2019 em estreita colaboração e consulta com os membros nacionais e regionais da Forus, bem como com a sociedade civil e parceiros institucionais. 


O objetivo geral da avaliação intermediária é coletar evidências de mudança, avaliando dados qualitativos e quantitativos em relação aos indicadores da estratégia e apoiar a Forus no ajuste dos processos para a implementação da estratégia remanescente. A avaliação contribuirá para a cultura de aprendizagem da Forus e apoiará a rede na mudança de colheita e mostrando as lições aprendidas, informando assim a futura estratégia da Forus. Paralelamente, estão sendo conduzidos debates e consultas com a governança, membros e funcionários em torno dos principais pilares da estratégia 2021-2025. Nos próximos anos, a Forus continuará atuando nas 3 direções estratégicas dadas por membros: 


  • Conectar Plataformas de ONGs e Coligações Regionais para construir ações conjuntas, aprender umas com as outras e lutar por um ambiente propício para organizações da sociedade civil em seus países e internacionalmente;  

  • Apoiar e desenvolver as capacidades dos nossos membros para uma participação mais efetiva nos processos de tomada de decisão, utilizando a inteligência coletiva da rede e abordagens inovadoras;  

  • Influenciar políticas públicas junto com os nossos membros, realizando negociações oficiais, deliberações e mobilizações públicas nos níveis nacional, regional e internacional. 

 
Nesse contexto, a legitimidade e a responsabilidade em relação aos nossos constituintes será uma característica fundamental. Alianças fundamentais com outras OSCs e agentes para combater o populismo e combater os espaços de fechamento, bem como para promover o papel da sociedade civil, também estarão no centro da próxima estratégia. Agradecemos o seu apoio contínuo e envolvimento; esperamos compartilhar atualizações regulares.