A 24 de Abril de 2020, Forus organizou, juntamente com o  Intituto Superior de Economia e Gestão de Lisboa (ISEG), um segundo webinar, desta vez em espanhol, no qual participaram Cesar Moreira, da Fundação Aga Khan, e Raquel Catalani d'ABONG, plataforma brasileira membro de Forus, ambos profissionais que inovaram na aprendizagem entre pares em redes da sociedade civil, especialmente em Moçambique e no Brasil. Os principais temas discutidos foram as oportunidades e desafios da utilização da tecnologia digital para a aprendizagem entre pares e a partilha de conhecimentos. 

Raquel Catalani, da ABONG, falou sobre o Banco de Práticas Alternativas, uma iniciativa destinada a apresentar as experiências das comunidades brasileiras que procuram alternativas ao modelo de desenvolvimento predominante. Partilhou as melhores práticas que demonstram que é possível viver de uma forma mais sustentável e justa. Referiu ainda que o maior desafio é dar mais visibilidade ao seu projecto, para o qual estão a desenvolver campanhas online em várias plataformas de redes sociais. 

Os critérios seguintes são essenciais para identificar as melhores práticas antes de as incluir no  Website do Banco de Práticas Alternativas:

1) Mudanças económicas (eco-solidaridade no domínio da água e da agricultura) ;
2) Mudança das fontes de energia (mudança para energia limpa) ; 
3) Respeito pela natureza (alimentação saudável, produção biológica, reflorestação) ; 
4) Novas formas de organização da sociedade e das cidades em matéria de ambiente (transportes públicos, pistas cicláveis, focalização nas necessidades da cidade) ; 
5) Nova forma de organização da sociedade onde as práticas democráticas e participativas são encorajadas. 

Algumas das práticas do Banco de Práticas Alternativas já obtiveram apoio governamental, havendo, mesmo, projectos que se tornaram políticas públicas.

Por outro lado, Cesar Moreira, da Fundação Aga Khan, falou sobre o processo de criação de um projecto de aprendizagem mista (blended learning) para trabalhar com as OSC em Moçambique para ajudar as pessoas que vivem em áreas remotas a terem acesso a dados teóricos para desenvolverem as suas capacidades. Para incentivar este projecto, são organizadas sessões práticas onde estas capacidades são verdadeiramente validadas através da aprendizagem entre pares e de actividades de grupo. As principais acções da Aga Khan são trabalhar com as OSC locais e trazer tecnologia para elas.

Os critérios adoptados para a selecção de temas para o desenvolvimento dos recursos de aprendizagem dependem das necessidades das OSC. Mas, em especial, seguem este procedimento: fazem um diagnóstico das áreas mais precisam de ser fortalecidas e verificam se ainda não existem recursos disponíveis. Depois, desenvolvem os conteúdos para eles, tendo em conta o seu contexto e língua (neste caso português). Em seguida fazem vídeos, pois esta parece ser a forma mais fácil e lúdica de aprenderem. Permitem também descarregar os diferentes conteúdos, para que as pessoas que não se podem ligar à Internet possam aceder aos conteúdos produzidos offline. 

Na situação actual da COVID-19, a Fundação Aga Khan está a partilhar os recursos desenvolvidos pelas OSC em Moçambique (disponíveis em covid19.juntosmocambique.org/) com as pessoas que necessitam, estando também a desenvolver outros recursos para os seus próprios parceiros. Seguem o mesmo procedimento que estão a utilizar actualmente para seus cursos, onde lhes é permitido descarregar os diferentes recursos e levá-los para áreas de difícil acesso.

Este webinar é parte de uma série de webinars organizados pelo Forus e pelo ISEG de Lisboa. Se estiver interessado em revê-lo, pode clicar aqui