Por Angel Mendoza, Equipa de comunicação de Forus

No dia 22 de maio, Forus, os seus membros e mais de 400 grupos da sociedade civil de todo o mundo reuniram-se para exigir que os líderes mundiais agissem em conjunto para combater a #COVID-19 e desenvolver um plano de 12 pontos (veja o conjunto completo de 12 pontos abaixo¹) para uma reconstrução melhor em resposta à crise global desencadeada por esta pandemia. 

A declaração antecede um "Dia da Solidariedade" conjunto para destacar as ações da comunidade em todo o mundo na sexta-feira, 22 de maio de 2020. Para proteger a todos, em todos os lugares e para garantir que ninguém seja deixado para trás. Por este motivo, o slogan foi "unir forças para mostrar que somos #StrongerTogether".

O Dia Global da Solidariedade foi coordenado e promovido por um grande grupo de organizações da sociedade civil de todo o mundo, convocado pela Campanha de Ação dos ODS da ONU,  Global Call to Action Against Poverty e Action for Sustainable Development

Foram propostas muitas ações no início de maio para envolver a sociedade civil nesta iniciativa. Em 15 de maio, por exemplo, foi proposto enviar uma carta aos representantes governamentais locais usando uma carta modelo. (Disponível em inglês, francês, espanhol e russo)

Em segundo lugar, a sociedade civil em geral foi convidada a partilhar experiências nas redes sociais usando o hashtag #StrongerTogether e a partilhar as suas iniciativas neste mapa. Em 22 de maio, as OSC e muitos cidadãos aderiram ao Dia Global da Solidariedade e partilharam as suas histórias de solidariedade, com uma imagem da ação local usando a cor para destacar a força da diversidade. Pessoas de todo o mundo demonstraram a sua expressão colorida da solidariedade diante da crise, criando um efeito borboleta de mudança transformadora, esperança e união e desenharam arco-íris para serem exibidos nas janelas.

Alguns dos membros de Forus, como a PIANGO, UNITASBONDPLATAFORMA ONGDUNNGOFDOCHASCOORDINADORA ONGDSLOGA e a Plataforma Lituana NGDO aderiram ao Dia da Solidariedade partilhando mensagens, vídeos e iniciativas nas suas redes sociais. 

¹Conjunto completo de 12 pontos mencionado acima.
A ONU para:
1. Atribuir fundos imediatos de resposta e recuperação diretamente a grupos locais, que incluem um 'marcador de género' para mulheres, pessoas marginalizadas, organizações comunitárias e empresas sociais para garantir que ninguém seja deixado para trás.
2. Proteger a liberdade de expressão e apoiar abordagens inovadoras à liberdade de reunião digital para garantir que todas as vozes sejamouvidas.
3. Promover o cessar-fogo global e apoiar os governos a redirecionar os gastos militares para a proteção social.
4. Apelar à proibição do comércio de animais selvagens vivos e à interrupção da desflorestação.
Na fase de "resposta" de curto prazo, os governos dos estados membros e as agências financiadoras para:
5. Proteger os profissionais de saúde e os assistentes sociais na linha de frente, garantindo que têm acesso a condições de trabalho seguras e decentes e aos recursos adequados.
6. Envolver as organizações da sociedade civil nas respostas políticas e operacionais à COVID-19.
7. Manter os compromissos financeiros e políticos para uma abordagem baseada nos direitos humanos, em particular os direitos das pessoas idosas, pessoas com deficiência e mulheres, meninas e pessoas de género diverso.
8. Implementar condições sociais e ambientais claras em qualquer estímulo financeiro de emergência para as empresas, tais como o tratamento justo dos trabalhadores e a redução das emissões de carbono.
Na fase de "recuperação" a médio prazo, os governos dos estados membros e as agências de financiamento para:
9. Conduzir uma mudança sísmica em direção à assistência universal à saúde, pagamento de assistência social e proteção social, que incluem serviços essenciais, como programas de vacinação, produtos e serviços de saúde sexual e reprodutiva para todos.
10. Cancelar as dívidas nacionais para garantir financiamento suficiente disponível aos governos para garantir uma recuperação justa.
11. Adotar políticas fiscais mais justas para aqueles que possuem mais recursos na nossa sociedade, juntamente com medidas para combater os fluxos financeiros ilícitos para pagar estas proteções.
12. Estabelecer incentivos para uma revolução industrial verde e feminista, para permitir a rápida expansão de empregos sustentáveis.