© UBDF 2019


Por Deirdre de Burca, coordenador de advocacia da Forus 


Ulaanbaatar – Fevereiro 2019 


Escrevi este artigo em Ulaanbaatar, na Mongólia, onde estava a representar a Forus na Global Advocacy Leadership Academy (GALA), formação ministrada pela Asia Development Alliance (ADA), a Coligação Regional da Forus na Ásia.  


O foco da formação foi “Integração da Paz e dos Direitos Humanos no Envolvimento da Sociedade Civil com os ODS na Mongólia”. A este evento, seguiram-se três dias do Fórum da Democracia de Ulaanbaatar, que é uma Consulta Regional sobre a “Promoção da Democracia, dos Direitos Humanos e da Paz através do ODS 16+: Rumo a sociedades pacíficas, justas e inclusivas na Ásia” 


A Asia Development Alliance organizou a formação GALA para redes de ONG em toda a Ásia e apoiou o Fórum da Democracia de Ulaanbaatar. A Forus prestou apoio financeiro a estes importantes eventos regionais de desenvolvimento de capacidades da sociedade civil. 


O programa para ambos os eventos incluiu uma gama de oradores importantes e interessantes, incluindo o Embaixador Enkhsaikhan, Blue Banner sobre o Fórum da Paz Global PyeongChang (PGPF) 2019, e D. Tsogtbaatar, Ministro dos Negócios Estrangeiros, Mongólia, um representante do Governo da Coreia do Sul, Thomas E. Garrett, Secretário Geral da Comunidade de Democracias (CoD) e Beate Trankmann, Coordenadora Residente da ONU e Representante Residente da UNDP na Mongólia


Depois de ter passado cinco dias a assistir a ambos os eventos, conheci várias redes de OSC de diferentes partes da Ásia, incluindo Mongólia, Malásia, Indonésia, Paquistão, Timor Leste, Cazaquistão, Japão, Nepal, Sri Lanka, Coreia do Sul e Camboja, entre outras. Tenho ficado impressionado muito positivamente com o nível de coordenação e de ligações em rede que ocorre entre as OSC em toda a região relacionadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.  


Também fiquei impressionado com o papel muito importante que o nosso parceiro de coligação regional, ADA, tem desempenhado para ajudar a reunir estas redes de OSC de diferentes países na região e a disponibilizar-lhes formação de alta qualidade sobre os diferentes aspetos dos ODS. O foco da formação nesta ocasião foi a Meta 16 dos ODS, que trata das questões da Paz, Democracia, Direitos Humanos, Governança, Segurança e Justiça Humana.  


De facto a Forus, a ADA e a rede TAP acordaram colaborar durante os próximos meses para produzir um Relatório dos Destaques Globais sobre a Meta 16 das ODS, que incluirá estudos de caso nacionais de membros da nossa sociedade civil em diferentes regiões. Este relatório será lançado no Fórum Político de Alto Nível da ONU (HLPF) em Nova Iorque em julho de 2019. 


O entusiasmo e o envolvimento geral das OSC asiáticas que participaram da formação da GALAA e do Fórum da Democracia aqui em Ulaanbaatar foram extremamente impressionantes. Dado o ceticismo público generalizado sobre a política formal que parece afetar tantos países em todo o mundo, a paixão, a visão e o entusiasmo destas organizações da sociedade civil quando discutem os desafios e as oportunidades em torno da implementação dos ODS nos seus países é muito inspiradora. Ouvi com grande interesse as OSC asiáticas presentes a partilhar de forma inteligente a elaboração de estratégias coletivas sobre a melhor forma de garantir a implementação dos ODS na sua região. 


Existe claramente um enorme apetite entre as organizações da sociedade civil em todo o mundo para ver a agenda ambiciosa e potencialmente transformadora dos ODS implementada nos seus países e ao nível das suas comunidades locais. Claro que  a sociedade civil sozinha não pode reconhecer a visão transformadora dos ODS sem a cooperação de todos os governos e também de uma série de outras partes interessadas, incluindo o setor privado. 


A Forus está empenhada em trabalhar estreitamente com parceiros de coligação regionais como a ADA em políticas e advocacia para garantir apoio financeiro e desenvolvimento de capacidades para a sociedade civil a nível global para cumprir o papel crítico que pode desempenhar na concretização da visão positiva e transformadora dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.  


É claro que os ODS não serão alcançados em todo o mundo sem o apoio de um setor da sociedade civil ativo, comprometido e com bons recursos. Fico feliz por concluir que os eventos a que assisti na Mongólia na semana passada me convenceram de que a sociedade civil já está a mobilizar e a demonstrar liderança na implementação e na monitorização desta importante e oportuna agenda global de desenvolvimento sustentável.  


A Forus continuará a trabalhar com todos os seus parceiros da sociedade civil nos níveis regional e nacional global para garantir que este importante trabalho seja adequadamente financiado e apoiado.